Lentes Esclerais

Como é definida uma lente escleral?

A definição de lente escleral consiste em uma lente rígida gás permeável de diâmetro grande o suficiente para fazer contato apenas com a escleral, deixando a córnea completamente livre de toque da lente .

As lentes esclerais podem ser subdividida em: mini-escleral , semi-escleral e escleral total conforme o tamanho e o local de apoio da lente

Como são adaptadas as lentes esclerais?

As lentes esclerais são confeccionadas por laboratório especializado com tecnologia personalizada para cada paciente conforme os parâmetros prescrito pelo oftalmologista no teste com lentes moldes. Prescrição de lentes esclerais resulta de um exame oftalmológico abrangente e do ajuste especializado de moldes. As lentes são ajustadas usando um conjunto de moldes (lentes de teste) escolhidos conforme as propriedades anatômicas de cada paciente. Os teste são demorados e muitas vezes é necessário mais que uma visita para finalizar uma adaptação bem feita. Para cada molde de lente colocado é necessário aguardar pelo menos 01 horas para avaliar a adaptação , muitas vezes é necessário testa 4, 5 ou ate mais moldes para chegar a uma adaptação de excelência.

Quem são os pacientes que se beneficiam das lentes esclerais?

Qualquer pessoa que queira usar lentes de contato e não tenha tido sucesso com qualquer outro tipo de desgaste pode ser bem-sucedida com as lentes esclerais. São uma opção fantástica para o tratamento de irregularidades da córnea na superfície frontal do olho. Uma lente de grande diâmetro pode melhora a visão de córneas com superfícies irregulares como ceratocone ( colocar o link com a doença), degeneração marginal pelúcida ou trauma ocular e também é útil em doenças que afetam o ecossistema ocular, como olho seco grave devido à doença de Sjögren, Graft doença do hospedeiro -verso (GVHD), Síndrome de Stevens Johnson , queimaduras químicas, ceratopatia neurotrófica e complicações da cirurgia pós-refrativa.

    As lentes esclerais reduzem a necessidade de transplantes de córnea?
    (Bruce Baldwin, OD e Ed Bennett, OD, MSEd)

    A doença ocular mais comum que resultou em um transplante de córnea em 2014, tanto nos Estados Unidos quanto internacionalmente, foi o ceratocone. 
    O ceratocone pode causar perda severa da visão. Se não houver cicatrizes significativas na córnea, as lentes de contato – incluindo as esclerais – podem restaurar a visão para níveis funcionais, atrasando ou evitando a necessidade de transplante de córnea. Outras condições que causam severa perda de visão só podem ser adequadamente corrigidas com lentes esclerais ou cirurgia. Esses pacientes também têm a opção de adiar a cirurgia.
    Ainda não foi estabelecido se as lentes esclerais atrasaram ou impediram a cirurgia da córnea. Entretanto, como o desconforto é a principal causa do abandono das lentes de contato (Begley, Caffery & Nichols, et al, 2000; Hewett, 1984) e como as lentes GP da córnea em uma córnea irregular tendem a resultar em uma relação de ajuste inferior ao ideal, é certamente é possível que o surgimento de lentes esclerais tenha proporcionado aos profissionais uma opção que praticamente eliminaria a cirurgia da córnea em pacientes com desconforto induzido por lentes.
    Bennett (2015), em uma pesquisa com destacados especialistas em lentes de contato nos Estados Unidos, 26 dos 34 entrevistados acreditavam que as lentes esclerais haviam reduzido a necessidade de transplantes de córnea em sua prática (11 indicavam redução moderada, 15 indicavam redução leve, 4 indicaram nenhuma mudança no momento atual, mas esperam redução futura e 4 indicaram nenhuma mudança).
    As LENTES ESCLERAIS e suas variações de formato são indicada para a correção de aberrações causadas por: Ceratocone DMP Pós-Trauma Pós-Transplantes Pós-LASIK Pós-PRK Pós-RK Pós-Anel Intraestromal Olho seco Degeneração de Salzmann Síndrome de Stevens Johnson, Sjogren Miopia, hipermetropia, astigmatismo.